Saúde financeira pessoal

Como evitar a vulnerabilidade em momentos de crise

saude-financeira-pessoal-destaque

Já tem alguns anos que o Brasil está passando por uma crise econômica. Tanto tempo de estabilidade no país coloca à prova a saúde financeira pessoal. O poder de compra diminui, o dinheiro fica mais curto e sem controle do orçamento, fica muito mais fácil entrar em diversas dívidas. Para evitar isso, separamos algumas dicas de como sobreviver a momentos de crise e como sair de uma situação de dívida.

Entenda que é preciso mudar

Momentos de crise exigem algumas mudanças no comportamento das pessoas para sobreviver ao período de recessão e conseguir crescer nesta época. Entre as principais medidas que podemos destacar:

  1. Conhecer a movimentação financeira da família e cortar gastos
saude-financeira-familiar

É comum que em momentos de prosperidade a gente acabe gastando mais com supérfluos e na hora que o orçamento aperta, seja necessário uma mudança radical. Se este foi o seu caso, comece a anotar todas as receitas e despesas em um caderno, planilha eletrônica ou aplicativo.

Não se esqueça de anotar tudo o que gastou durante o dia. Outra boa dica é a de organizar o orçamento por custos fixos e variáveis e depois em categorias, como lazer, vestuário, carro e por aí vai. É desta forma que você vai ter uma visão mais clara das finanças e então efetuar cortes.

Nas contas fixas (aluguel, financiamento, parcela do carro e mais) é mais difícil negociar a dívida para melhorar as condições de pagamento, porém não é impossível. Por outro lado, as contas variáveis (energia, supermercado, combustível etc) podem ser economizadas no dia a dia.

Sempre que tratamos de finanças pessoais devemos ter em mente que nunca devemos gastar mais do que ganhamos. Se isso estiver acontecendo com você, tente encontrar uma forma de complementar a renda até sair desta situação. Ao notar que as contas não estão fechando, encontre formas de economizar antes de entrar em uma dívida que vai ser difícil de sair.

  1. Adeque o seu padrão de vida
saude-financeira-pessoal

Uma das principais causas do descontrole financeiro é a família adotar um padrão de vida que não condiz com a sua renda. Em momentos de crise econômica, este tipo de problema fica ainda maior. Para equilibrar as finanças, é fundamental adequar os seus hábitos para a nova forma de viver, como consumir marcas mais baratas e com qualidade semelhante à principal da categoria.

Você também pode cancelar alguns serviços que não utiliza, como TV paga, assinatura de revistas, conta mensal para o celular e mais. Outra forma de economizar é no lazer. Comece a procurar por programas mais baratos e gratuitos ou então reduza o número de saídas por mês.

Ninguém gosta de cortar gastos, mas essa ação é essencial para não cair em dívidas ou ficar sem nenhuma reserva no final do mês. Além disso, para alcançar maior estabilidade no futuro, evitar a vulnerabilidade e alcançar o sucesso, é preciso ter a atitude correta.

Um ótimo exemplo que é possível trazer aqui é a narrativa que Jim Collins menciona em seu livro: “Vencedoras por opção”. Nele, ele conta a história real de duas expedições ao Pólo Sul que tinham um mesmo objetivo: ser o primeiro grupo humano da história a chegar em um dos lugares mais inóspitos do Planeta Terra.

Uma das equipes obteve completo sucesso, vencendo a neve, a baixa temperatura, e o longo trajeto desconhecido, chegaram ao destino final com toda a equipe intacta. Já a outra sofreu com um destino completamente trágico: todos os integrantes do grupo pereceram à absoluta exaustão, sucumbindo ao frio e ao congelamento.

A diferença essencial estava em seus líderes: a primeira equipe era liderada por um norueguês detalhista, focado em planejamento. Roald Amundsen, o vencedor, levou anos se preparando para sua empreitada, se submetendo a diversas situações totalmente “desconfortáveis” para preparar o próprio corpo e também aprender a sobreviver em situações extremas. Sua filosofia era: não se espera até estar no meio de uma tempestade imprevista para descobrir que é preciso ter mais força e resistência.

Já a segunda equipe, era capitaneada por um inglês arrogante e adepto ao improviso, Robert Falcon Scott. Além de pouco se preocupar em aprender sobre a sobrevivência em condições atmosféricas polares, organizou os suprimentos e equipamentos no limite, sem considerar possíveis adversidades que poderia encontrar no meio do caminho. Após pouco se preparar e passar por uma sequência de acontecimentos ruins, algo completamente natural em condições extremas como a do Pólo Sul, Scott responsabilizou a imensa falta de sorte pelos infortúnios sofridos.

Esse exemplo mostra que momentos favoráveis, assim como a imprevisibilidade, fazem parte da vida, mas pessoas vencedoras diferem das demais por se prepararem para tirar proveito dessas situações. Para isso é preciso ter disciplina e determinação. Assim, Jim Collins nos mostra que, apesar de estarmos sujeitos ao acaso, ter sucesso é em grande parte pura decisão pessoal.

  1. Tenha uma reserva de emergência
saude-financeira-pessoal-2

Durante uma crise econômica, os rumos da inflação e política de juros é incerto, afetando diretamente no valor dos produtos e serviços. Para diminuir os riscos nesta época, uma boa atitude é a de adotar uma reserva de emergência.

Esta reserva pode vir em forma de investimento e aplicação com alta liquidez (facilidade para sacar dinheiro), como Fundos de Renda Fixa e Tesouro SELIC. Os principais educadores financeiros sugerem que as pessoas guardem entre seis a 12 meses dos seus gastos mensais. Caso você tenha um emprego/fonte de renda estável, a recomendação é no mínimo 6x o seu gasto mensal. Já se você é autônomo ou empresário, a reserva deve ser de 12 vezes.

Assim, se você é funcionário de uma empresa e tem um custo de 3 mil por mês para viver, por exemplo, sua reserva deve ser de R$ 18.000,00 (6 x R$ 3.000).

O dinheiro guardado tem como objetivo ajudar em situações de imprevistos, como para conserto do carro se este for essencial ou orçamento doméstico em caso de demissão.

  1. Se mantenha informado
saude-financeira-pessoal-3

Sempre se mantenha atualizado sobre as notícias do que acontece no Brasil e no mundo, novidades e informações que podem afetar sua vida financeira. Quanto mais informações e conhecimento você tiver, maior seu poder de reação e maior agilidade na tomada de decisões.

Ao se manter informado, você pode se prevenir melhor em momentos de crise e proteger o seu orçamento das variáveis que impactam o mercado financeiro diariamente. Como por exemplo saber se é um boa hora para diminuir a exposição em renda variável e aumentar a de renda fixa.

Além disso, graças à internet, é possível ter acesso a diversas informações e ferramentas, que além de ajudarem na organização financeira (como aplicativos para controlar as finanças), também dão poder e conhecimento para a tomada de melhores decisões, sem você ficar refém de bancos ou consultores financeiros para fazer os melhores investimentos.

  1. Realize investimentos e construa patrimônio
saude-financeira-pessoal-4

Pode não parecer, mas a crise econômica é um ótimo período de aprimoramento. Ela nos faz refletir, e é o momento ideal para você pensar no porquê está se sentindo inseguro, e principalmente no que é possível fazer daqui para a frente para mudar. Uma das formas mais eficazes de lidar com crises, como ensinado por Amundsen na sua expedição ao polo sul, é se prevenir. E uma boa forma de se prevenir e construir riqueza é através de investimento e construção do patrimônio. Principalmente aqueles que juntem segurança com uma boa rentabilidade, como o investimento em renda fixa e no mercado imobiliário.

Renda fixa

Renda fixa é uma modalidade de investimento que alia um bom retorno financeiro com segurança. Esta opção está disponível para compra em bancos e corretora de valores. Nela, você investe uma quantia de dinheiro por um determinado período de tempo e já sabe exatamente o quanto vai receber de lucro no fim do contrato.

Entre os principais produtos desta categoria, podemos destacar o LCI (Letra de Crédito Imobiliário), CDB (Certificado de Depósito Bancário), LF (Letra Financeira), Tesouro Direto e muito mais. Vale lembrar que cada uma destas opções possui diferentes características, vantagens e atendem diferentes objetivos. Portanto, é importante se informar bem sobre cada uma antes de realizar qualquer investimento.

Investimento em Imóveis

Investir no mercado imobiliário é uma das formas mais tradicionais de investimento. Além de ser mais simples de entender, o fato de ter a aquisição de um bem físico gera uma maior sensação de conforto e segurança.

Você pode usar a compra da propriedade para revender e lucrar com a valorização do bem ou então ter uma nova fonte de renda com a locação. A compra do imóvel também contribui para a construção do patrimônio e garante maior estabilidade para a família, possibilitando aquela ajuda para os filhos que estão entrando na vida adulta ou mesmo entrando como parte da herança.

Apesar de seus benefícios, muitas pessoas têm deixado de investir no mercado imobiliário por conta das altas taxas de juros do financiamento bancário. Para fugir das taxas de juros, necessidade de valor de entrada e burocracias, você pode optar pelo consórcio.

Esta modalidade cada vez mais tem sido a escolha de quem deseja investir em imóveis e economizar ao mesmo tempo. No consórcio, você opta por um plano que combine com os seus objetivos, participa das assembleias mensais e aguarda a contemplação para poder utilizar a carta de crédito. A contemplação pode acontecer por meio de sorteio ou oferta de lances.

Entre as principais vantagens do consórcio para quem quer investir no mercado imobiliário, é possível destacar:

– Com a carta de crédito, você negocia o preço à vista (mas continua pagando a prazo);

– Não há juros, apenas taxa de administração;

– Não precisa de entrada;

– O consorciado tem até o final do plano para utilizar o crédito para a compra do bem (após a contemplação o valor fica aplicado e todo o rendimento da aplicação é somado ao crédito);

– Após 180 dias da quitação do plano, o consorciado pode retirar o valor em espécie;

– Antes da contemplação é possível alterar o valor do crédito;

– Em caso de sobra de crédito na aquisição do imóvel, o consorciado pode usar o valor para pagar despesas com registro, comprar outro imóvel e abater as parcelas;

– FGTS pode ser usado para ofertar lance ou completar o valor do imóvel;

– E por último, o cliente também pode quitar o financiamento imobiliário em seu nome com o valor da carta de crédito.

Já a parte ruim do consórcio é a espera pela. No entanto, para quem busca investir no mercado imobiliário, essa não é necessariamente uma desvantagem. Principalmente pelo sucesso desse investimento depender de uma boa escolha do bem e do momento do mercado para fazer o melhor negócio. Sendo assim, o consórcio além de trazer economia, também dá o tempo necessário para o planejamento da compra.

Ou seja, é a modalidade ideal para quem quer investir e enfrenta problemas com a falta de organização financeira ou não quer se descapitalizar na compra de um bem.

Nenhuma crise econômica é eterna, em algum momento ela desaparece, mas sempre pode voltar. Aproveite o momento de incerteza para aprender e promover a saúde financeira pessoal. Se você consegue manter um orçamento controlado em épocas de recessão, vai ser mais fácil lidar com dinheiro quando tudo estiver controlado. Tem alguma dica para lidar com momentos de crise? Então, deixe o seu comentário e aproveite para conferir outras dicas sobre o assunto.

Logo A7 Consórcios Azul Escuro
sobre o autor
A7 Consórcios

Comentários